7 Benefícios da Musicoterapia Para Sua Mente

0
15
Benefícios da musicoterapia

A música nunca esteve tão presente em nossas vidas.

Com o avanço das tecnologias digitais, hoje é possível escutar músicas, criar playlists, acompanhar seus artistas favoritos em shows acontecendo em diversos locais do planeta, etc.

E conforme já citado em textos anteriores, os transtornos neurológicos como ansiedade e transtornos de depressão nunca estiveram tão em alta e a cada dia crescem mais.

Estima-se que desequilíbrios neurológicos serão as principais razões de afastamento de pessoas em idade de trabalho até 2020, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Nesse contexto, diversas terapias surgem como complementares de tratamento, possibilitando melhor bem-estar de pacientes.

É nesse contexto que existe a musicoterapia.

O Que é Musicoterapia?

A Musicoterapia é uma técnica terapêutica na qual a música é utilizada como ferramenta de tratamento dos pacientes.

É uma mistura entre saúde e arte e serve para promover a comunicação, aprendizado e expressão.

Também tem por objetivo facilitar a organização e a forma de se relacionar com as pessoas.

A musicoterapia pode ser utilizada em qualquer área ou com qualquer grupo desde que haja demanda para tal. O objetivo é promover saúde, reabilitação ou atuar como medida de prevenção, melhorando a qualidade de vida.

Há também a musicoterapia comunitária ou social, cujo objetivo é empoderar grupos e permitir o engajamento social e organização necessária para as pessoas que fazem parte deles, para enfrentar os desafios da vida.

A Federação Mundial de Musicoterapia afirma que: “a Musicoterapia objetiva desenvolver potenciais e restabelecer as funções do indivíduo para que esse indivíduo possa alcançar uma melhor integração intra e interpessoal e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida.”

Como a Música Age no Cérebro?

A música evoca emoções intensas e age em diferentes regiões do cérebro.

Há razões científicas que mostram como a música age no cérebro: um estudo publicado em 2014 na revista PLOS ONE, revista científica indexada, analisou como o cérebro fica quando sob influência de música.

Nesse estudo, os pesquisadores colocaram músicos tocando jazz enquanto faziam ressonância magnética do cérebro, com o objetivo de analisar quais partes do cérebro eram ativadas enquanto os músicos tocavam jazz.

Além de se constatar que todas aquelas regiões foram de fato ativadas, os pesquisadores pediram que os músicos improvisassem em conjunto. Isso possibilitou a constatação de que o cérebro, quando estamos improvisando uma música em conjunto, funciona de uma maneira muito similar a quando estamos conversando oralmente com outra pessoa.

Essa descoberta serve de respaldo para musicoterapia e seus benefícios para processos comunicativos, visto que as mesmas áreas de comunicação se acendem tanto quando estamos conversando como quando estamos tocando algum instrumento com outra pessoa.

A música ativa diversas regiões do cérebro envolvidas na memória, como o hipocampo, portanto ela pode ser utilizada de forma terapêutica em pacientes com doenças neurológicas degenerativas, como o Alzheimer.

Como Funciona a Musicoterapia?

A musicoterapia pode ser realizada com o paciente passivo, somente escutando o musicoterapeuta tocando, ou ativo, ou seja, participando e fazendo música com o terapeuta.

Essas sessões de terapia são muito úteis para ajudar no desenvolvimento de habilidades comunicativas e de autoexpressão.

Também é possível da musicoterapia ser utilizada em grupos, em que todos os membros tocam algum instrumento em conjunto e participam da execução de uma música.

Segundo os estudos de caso, as sessões ajudam os pacientes a se soltarem mais e expressarem as próprias emoções com mais facilidade.

Musicoterapia Para Crianças Com Autismo

Crianças com transtornos do aspecto autista, faz com que essas crianças tenham dificuldade nos processos de comunicação e interação com outras crianças ou adultos.

Justamente nesses pontos é que a musicoterapia pode auxiliar.

Em uma sessão com uma criança autista, os musicoterapeutas normalmente decidem tocar instrumentos com a criança, para estimular que ela se expresse através da música.

A partir daí, os terapeutas podem escolher tanto musicar os sons que a criança emite como também simplesmente deixá-la livre para tocar do jeito que bem entender.

Nota-se, ao longo da sessão, uma melhora da criança.

No começo, ela tende a tocar notas, melodias e ritmos sem muito sentido lógico musical, mas, conforme os terapeutas vão se aproximando da criança, ao final da sessão, é capaz de eles estarem tocando notas similares ou então tocarem no mesmo ritmo.

Benefícios da Musicoterapia

Existem diversos benefícios relacionados à Musicoterapia. Aqui estão os principais:

1 – Doenças Cardíacas

O simples ato de ouvir música pode melhorar as frequências cardíaca e respiratória, além da pressão sanguínea em pacientes com Doença Arterial Coronária.

2 – Transtornos Neurológicos

Quadros de depressão, no qual há o isolamento do paciente, são indicados para Musicoterapia, justamente porque sessões de Musicoterapia fazem com que o paciente tenha que interagir, melhorando o aspecto social.

3 – AVC

A música age em diversas razões do cérebro, razão pela qual se mostra tão efetiva no tratamento de vítimas de derrames.

Isso acontece porque a música é capaz de despertar emoções e estimular interações sociais, auxiliando na recuperação do paciente.

4 – Demência

É justamente por ativar tantas áreas do cérebro e de maneira tão intensa que a música serve como via terapêutica para tratar sintomas como a demência, tão comum em doenças como o mal de Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas.

Ao escutar música, o paciente ativa diversos padrões neuronais (sinapses) que não eram estimulados há muito tempo, fazendo com que a pessoa que está sofrendo com a demência “acorde”, de certa forma.

5 – Amnésia

Alguns sintomas da amnésia foram amenizados através de diversas interações com a música, seja quando o paciente toca algum instrumento, ou quando está passivo, somente ouvindo uma canção.

6 – Afasia

Existe uma técnica usada por musicoterapeutas e fonoaudiólogos chamada Terapia da Entonação Melódica, que serve para ajudar pessoas com distúrbios de comunicação causados por danos no hemisfério esquerdo do cérebro.

A técnica busca envolver habilidades de canto, estimulando as regiões não danificadas do hemisfério direito a “aprenderem” a falar. Nessa técnica, frases comuns são transformadas em frases melódicas.

No início, o paciente fala quase que cantando e aos poucos vai reaprendendo a entonação típica e os padrões rítmicos comuns da fala do dia a dia.

7 – Transtorno do Espectro Autista

Conforme já descrito no texto, crianças que apresentam transtorno do espectro autista podem se beneficiar da musicoterapia, auxiliando em seus aspectos sociais e de interação.

Gostou do texto? Comente aqui embaixo!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui